23.8.09

Tenho 33 anos e desde cerca dos 22 anos que tenho um queloide, que surgiu de forma espontânea, na zona do peito. Tal tendência para queloides é hereditária. Após uma intervenção cirurgica, indevida, o queloide aumentou muito. Passado alguns anos, fiz infiltrações com corticóides e usei placas de silicone, o que fez "aplanar o queloide. Todavia, ele encontra-se ainda com muito volume.
Gostaria de saber que tipo de soluções existem, se resolvem definitivamente o assunto e quais são os riscos decorrentes.
 
As reacções queloidais do organismo têm, de facto, uma predisposição individual e por vezes genética. Também sabemos que quer no caso de quelóides (salvo raras excepções) é de evitar a remoção das mesmas por via cirúrgica, uma vez que a probabilidade de reformação de uma cicatriz hipertrófica é praticamente sistemática.
Ás alternativas com infiltração de corticóides, e do uso de placas de silicone junta-se uma muito interessante que é a realização de tratamento com laser pulsado de contraste (PDL) ou, em casos mais resistentes, a eventual realização de radioterapia superficial (Rontgenterapia)

link do postPor dermatologiaedermocosmetologia, às 10:42  ver comentários (37) comentar

4.8.09

Há um mês atrás tive uma pequena ferida, só que me deixou um pequeno alto na pele.
Gostava de saber como retiro esse alto da cicatriz.

 

Por vezes a cicatrização das feridas cutâneas ocorre de forma exagerada (cicatrizes hipertróficas) e existem várias alternativas de tratamento em função do seu aspecto, localização, tamanho, etc..

Essas alternativas são o laser de CO2, a infiltração com corticóides e o laser pulsado de contraste (se ainda tiver um componente vascular importante).

link do postPor dermatologiaedermocosmetologia, às 09:04  comentar

7.7.09
A minha pele tem tendência para fazer quelóides após arranhões, cortes ou até marcas da varicela. A grande maioria nem se nota mas, existe um quelóide com um tamanho bastante considerável (5-10 cm). Era muito alto e bastante vermelho, no entanto, tenho estado a fazer infiltrações com Trigon e, no que concerne ao volume, ele desapareceu por completo. A minha questão é como fazer desaparecer esta hiperpigmentação. Já me falaram do laser mas eu preferia que fosse alguém entendido na matéria a me esclarecer sobre o assunto.

 

 

Porventura a pigmentação a que se refere é apenas o aspecto avermelhado residual que apenas reflete a vascularização ainda i,portante que o quelóide ainda tem. A melhor abordagem é a realização de laser pulsado (PDL) de contraste para realizar a fotocoagulação dos vasos implicados neste fenómeno.

Temas: ,
link do postPor dermatologiaedermocosmetologia, às 10:16  comentar

22.5.09

Tenho um angioma plano na face desde nascença, e tenho agora 28 anos. Por diversas vezes pensei em tirá-lo, tendo mesmo efectuado tratamentos de laser,cerca de 6, os quais não tiveram resultados e eram dolorosos e dispendiosos. 

 

As lesões vasculares de tipo angioma plano, de tonalidades variando entre o vermelho e o bordeaux podem, como aliás descreve bem, desenvolver lesões nodulares mais salientes no seu seio que podem ser removidas cirurgicamente ou tratadas por laser. Não sei que tipo de laser terá realizado no passado mas o laser actual mais eficaz nesta patologia é o PDL (laser pulsado de contraste) de 585 nm de comprimento de onda. Dependendo da localização e de outros factores individuais são necessárias mais ou menos sessões mas os resultados são habitualmente sempre apreciáveis.

 

Temas: ,
link do postPor dermatologiaedermocosmetologia, às 07:30  comentar

13.5.09

Tenho 24 anos e há 5 que me foi diagnosticado rosácea. Desde essa altura que tenho usado sempre cremes expecificos para este tipo de problema (Calmance da Roc), mas tenho vindo a reparar que estou a ficar pior.
Além do vermilhão em torno das maças do rosto e do queixo, estou também a ganhar borbulhas.
O que posso fazer para atenuar este problema?

 

 A rosácea pode evoluir segundo várias fases, essencialmente 3, sendo a primeira a fase vascular onde é notório um eritema (vermelhidão das 2 hemifaces), uma segunda fase que é a fase inflamatória em que surgem pápulas inflamatórias sobre estas zonas de eritema (borbulhas inflamadas, algumas com pús) e uma fase menos frequente que é a fase granulomatosa em que a pele tende a ficar muito infiltrada.

 

link do postPor dermatologiaedermocosmetologia, às 11:25  ver comentários (1) comentar


 
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Dematologia e Dermocosmetologia. Este Consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: dermatologia@sapo.pt
Novembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


subscrever feeds
blogs SAPO